Vermífugo é testado contra o coronavírus no Brasil


Antivirais, anti-inflamatórios, anticorpos monoclonais, anticoagulantes… Na busca por um tratamento seguro e eficaz contra a infecção pelo coronavírus, outra classe de remédios está na mira da ciência, os vermífugos ou antiparasitários. No Brasil, o laboratório Farmoquímica (FQM) e hospitais do estado de São Paulo começaram a testar o medicamento nitazoxanida em pessoas com Covid-19. O princípio ativo está em um dos vermífugos mais comercializados do país. Mas, no estudo que engloba 50 pacientes com quadro moderado, os pesquisadores se valem de uma dosagem e de um esquema de uso diferentes.

Assim, de antemão avisamos: não faz sentido comprar vermífugos na farmácia pensando na prevenção ou no controle do coronavírus, ok?

A ideia de usar a nitazoxanida na Covid-19 faz parte de uma estratégia maior chamada reposicionamento de medicamentos. A lógica é a seguinte: pega-se um fármaco já consagrado e aprovado contra outra doença e que teria potencial para debelar a infecção pelo vírus Sars-CoV-2 ou suas complicações e se avalia seu comportamento nesse novo contexto.

Foi o que aconteceu com a cloroquina (com resultados bem controversos por ora), com o antiviral remdesivir (aprovado para uso emergencial nos Estados Unidos)… E, agora, com o antiparasitário.

Mas de onde veio essa história de empregar um vermífugo contra o vírus? Vinicius Blum, gerente executivo de Assuntos Médicos e Pesquisa Clínica da FQM, conta que a nitazonaxida não mata só vermes lá no intestino. “Ela tem ação contra protozoários e contra dois vírus intestinais, o rotavírus e o norovírus, que costumam causar aqueles surtos de diarreia”, explica. 

Experimentos de laboratório mostraram, ainda, que a medicação consegue inibir o vírus Sars-CoV-1, o parente mais próximo do patógeno da Covid-19 capaz de provocar doença em humanos e associado a ataques sobretudo na Ásia nos anos 2000. “Em laboratório, existem indícios de uma atividade importante até contra o ebola e já foram realizados testes com humanos para o vírus influenza, que causa a gripe“, relata Blum.

Daí a sacada de experimentar a substância contra o coronavírus por trás da pandemia.

O médico conta que a nitazoxanida atua em três frentes de combate. “Quando você pega uma infecção viral, o organismo dispara uma reação imunológica e libera uma molécula chamada interferon que age em nossa defesa. Só que alguns vírus conseguem dar uma tapeada na nossa imunidade e, aí, o corpo não produz interferon como deveria. Ou seja, o vírus ganha terreno. Sabemos que o medicamento aumenta a capacidade de o organismo fabricar o interferon”, descreve Blum.

Segundo o gerente médico da FQM, esse primeiro mecanismo de ação seria vantajoso porque reduziria o risco de o vírus se tornar resistente à droga. O segundo efeito da nitazoxanida é mais direto contra o agente infeccioso. “Ela é tóxica para o vírus e interfere em algumas etapas da sua replicação”, aponta Blum. Com isso, haveria menos cópias para se alastrar e tomar as células.

Por fim, especula-se que o fármaco tenha um efeito particularmente proveitoso na Covid-19. “Temos dados de que ele inibe uma resposta exagerada do sistema imune“, diz o médico.

Isso seria significativo porque alguns pacientes com o coronavírus desenvolvem uma reação inflamatória fora de proporção — batizada pelos cientistas de tempestade inflamatória — e capaz de complicar a situação para os pulmões e outros órgãos. É em função dela que as pessoas tendem a parar na UTI ou mesmo morrer.


SAÚDE ABRIL

Postar um comentário

0 Comentários