Mandetta diz que Bolsonaro 'exonerou a ciência' ao demiti-lo


O ex-ministro Luiz Henrique Mandetta afirmou neste domingo (26), em live organizada pelo Movimento Brasil Livre (MBL), que o presidente Jair Bolsonaro bateu de frente com a ciência durante sua gestão na pasta da Saúde e que o que o presidente “exonerou” foi a própria ciência, e não o ministro Mandetta.

Mandetta deixou o Ministério da Saúde no último dia 16, após várias divergências públicas com Bolsonaro sobre o isolamento social. O anúncio da saída do ministério foi feito pelo ex-ministro por uma rede social. No lugar de Mandetta, Bolsonaro nomeou o oncologista Nelson Teich para a pasta.

Enquanto Mandetta sempre defendeu as medidas para contenção da velocidade do contágio da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, Bolsonaro sempre criticou o isolamento social e o fechamento de serviços devido aos impactos para a economia. Em meio às divergências, Mandetta chegou a dizer que a população não sabe "se escuta o presidente ou o ministro" da Saúde.

“A meu ver, em um determinado momento, ele entendeu que as implicações econômicas seriam deletérias, mais duras, para as pessoas do que as implicações de saúde. Aí, ele começou a tomar uma série de atitudes públicas que se chocavam com a maneira como o Ministério da Saúde estava se conduzindo”, declarou o ex-ministro.

“Nós fizemos o nosso ministério em cima de três pilares no coronavírus: uma defesa intransigente da vida, uma defesa intransigente do SUS e uma defesa intransigente da ciência. O comportamento do presidente bateu de frente com a ciência, com o SUS e com a vida. Aí, ficou impossível porque eu não podia sair das minhas prerrogativas e ele não podia sair das dele", completou.


Bolsonaro nas ruas

Mandetta havia reforçado, em suas últimas semanas no ministério, a necessidade de isolamento para toda a população e reafirmou que as recomendações e determinações do Ministério da Saúde seguem parâmetros científicos e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Em três ocasiões diferentes, Bolsonaro saiu por ruas de Brasília e cumprimentou apoiadores, mantendo contato físico e descumprindo as orientações dadas por Mandetta e pelas autoridades internacionais de saúde.

"Ali [a exoneração] foi mais uma opção de mudar o perfil, mudar a coordenação, mudar a maneira que estava falando. De repente, o ministério da saúde estava falando muito. Nós ficamos no ar quase 60 dias e eu acho que isso daí em um determinado momento foi tudo misturando e ele resolveu ter um ministério mais coadjuvante da Casa Civil", afirmou Mandetta na live.


G1

Postar um comentário

0 Comentários