Coronavírus já causou mais mortes que a gripe no 1º trimestre de 2019

O número de mortes pelo novo coronavírus no Brasil chegou a 136 neste domingo (29), um crescimento de 19% em relação ao dia anterior. Em números absolutos, foram 22 novos óbitos decorrentes da doença de um dia para o outro. Com isso, a taxa de mortalidade passou de 2,9% para 3,2%. Já os casos de covid-19 no País passaram para 4.256. Foram 353 novas confirmações neste domingo, um aumento de 9%.

Os dados foram divulgados em balanço feito diariamente pelo Ministério da Saúde, que recebe informações das secretarias de saúde estaduais. O Estado com o maior número de casos continua sendo São Paulo (1.451), seguido por Rio de Janeiro (600), Ceará (348), Distrito Federal (289), Minas Gerais (231) e Rio Grande do Sul (226). No sábado (28), o Rio Grande do Norte teve a primeira morte confirmada por covid-19.

O professor universitário Luiz di Souza, de 61 anos, morreu dois dias depois de descobrir a doença. Ele morava em Mossoró e tinha diabetes. Também neste fi m de semana, subiu o número de casos confirmados da doença no Estado. Agora, são 68 infectados. Além disso, 1.414 pacientes são monitorados por suspeita da doença e outros 367 casos foram descartados.

No País inteiro, em menos de um mês a covid-19 já matou mais pessoas que a gripe nos três primeiros meses de 2019. Segundo dados do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SUS), do Ministério da Saúde, um total de 117 pessoas morreu no primeiro trimestre do ano passado em razão de complicações causadas pelo vírus influenza. De coronavírus, só em São Paulo morreram 98 pessoas. Outras 17 morreram no Rio de Janeiro.

A taxa de mortalidade por covid-19 no estado paulista é a maior do País, com 6,8% de vítimas que evoluíram para óbito. Houve registro ainda de cinco mortes no Ceará e em Pernambuco, dois óbitos no Paraná e no Rio Grande do Sul. Amazonas, Bahia, Piauí, Goiás, Distrito Federal e Santa Catarina e Rio Grande do Norte tiveram, cada um, um óbito devido ao coronavírus.


AGORA RN

Postar um comentário

0 Comentários