OMS alerta que surto de coronavírus pode se espalhar; mortes chegam a 6


A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou nesta terça-feira, 21, que o surto de uma variante do coronavírus que atinge a cidade chinesa de Wuhan pode se espalhar para outras partes da China e para outros países. A mutação do vírus causa pneumonia e os números oficiais da doença seguem crescendo: já são seis mortes registradas e 295 pessoas infectadas.
A OMS fará uma reunião de emergência na quarta-feira 22 para discutir o tema. Até o momento, não há restrição para viagens a Wuhan.
Com o feriado de Ano Novo Lunar se iniciando na sexta-feira 25, é esperado que milhões de chineses viajem tanto dentro quanto fora do país. Aeroportos na Ásia, nos Estados Unidos e Austrália estão se preparando para passar os viajantes por uma triagem. Dos 295 casos confirmados, dois foram registrados na Tailândia, um no Japão e um na Coreia do Sul.
Nesta terça, a rede de TV australiana ABC informou que um homem que viajou recentemente para a China estava em quarentena na sua residência na cidade de Brisbane com sintomas da doença.
As autoridades de Saúde das Filipinas também anunciaram que aguardam os resultados da análise de amostras enviadas para um laboratório na Austrália. Elas são de uma criança de 5 anos de idade que chegou ao país vinda de Wuhan. Ele apresenta sintomas da doença.
Até então, segundo a OMS, a hipótese mais provável para o surto da doença era a de contágio através do contato com animais. A evidência de transmissão de humano para humano era considerada “limitada”. Pouco tempo depois, o governo chinês divulgou que dois casos na província de Guangdong foram confirmados como transmissão de humano para humano.
Acredita-se que o surto da doença teve como origem um mercado de peixes no centro de Wuhan. O estabelecimento está fechado desde primeiro de janeiro, mas novos casos continuam a surgir e a se espalhar pela China. As autoridades relataram que também identificaram pacientes sem histórico de contato com o mercado. Além dos casos confirmados, há 922 pessoas em observação. Estimativas apontam que podem o número de contaminados pode passar de 1.700.
Para tentar conter a situação, o governo chinês abriu um comitê de crise e está enviando instruções, equipamentos para hospitais e funcionários para as províncias atingidas para supervisionar a operação de contenção.
A pneumonia misteriosa causa temor e traz lembranças de outra epidemia na Ásia, em 2002, quando 800 pessoas morreram e outras milhares foram contaminadas devido ao vírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars). Apesar das críticas de encobertamento na última ocasião, o editorial do jornal Global Times, que é dirigido pelo governo, disse que “no início da epidemia de Sars, houve um encobertamento e demora em dar satisfações. Isso nunca mais deverá ser repetido na China”.
 VEJA (Com AFP)

Postar um comentário

0 Comentários